Simo Häyhä – A Morte Branca

Ho ho ho agora tenho um rifle

O fim de ano traz muitas coisas, o velho Nick, presentes, comida e indigestão, tristeza, entre outras. E para quem vive em outras latitudes, traz neve.

O problema é quando essa neve traz junto Simo Häyhä.

Visto aqui em tamanho natural

Visto aqui em tamanho natural

Em 1939, Stalin estava sendo o babaca costumeiro e resolveu anexar a Finlandia ao seu clube exclusivo. As perspectivas de gulag e borsch frio não animaram os finlandeses e eles resolveram dificultar a vida do porrilhão de soldados que Stalin derramou em seu país.

O bigodão da Praça Vermelha deve ter pensado que seria uma vitória fácil para o glorioso exercito do povo, afinal, só teriam que enfrentar um punhado de sujeitos em um país que era tão ameaçador para o poderia soviético quanto uma caixa de porquinhos da india, e como na época ele ainda era BFF do escroque de Berlim, poderia atacar a Finlandia sem receios.

Quer dizer, era um país com 32 tanques. Stalin tinha quase 7 mil.

Simo havia cumprido um ano de serviço militar obrigatório e vivia nas quebradas das florestas finlandesas, numa vilazinha, plantando e cortando árvores imensas com sua ereção. Quando os sovieticos atravessaram a fronteira, foi chamado para defender sua nação. Então pegou seu velho rifle, um Mosin-Nagant M28/30, ironicamente de fabricação russa e saiu para caçar comunistas.

who-would-win-505-soviet-soldiers-literally-a-farmer-one-15744818

Ele conhecia muito bem a região, então vestido com uma roupa toda branca que o camuflava na neve, bem abastecido de comida e munição, ele ficava esperando pacientemente qualquer russo que aparecesse e o despachava com precisão.

A Guerra de Inverno foi algo fodido, combatido em temperaturas de até 40 graus negativos. Mas isso não atrapalhava Simo, nem mesmo quando ele mandou pra vala 25 caras em um dia. É um campo inteiro de futebol, com os dois times, juiz e bandeirinhas.

Num certo momento, os russos, que já haviam apelidado Simo de “Morte Branca” ficaram tão desesperados que começaram a ordenar barragens de artilharia em lugares onde achavam que ele poderia estar.

As coisas pioraram para eles quando o Alto Comando finlandes, vendo o que ele fez com um rifle velho, resolveu presentear Simo com um novo rifle Sako M2/28-30 customizado. E com um detalhe, ele não usava mira telescopica, preferindo a mira de metal do proprio rifle.

330px-Simo_hayha_honorary_rifle

Ansioso para estrear seu presente do Papai Noel, Simo continuou ser um bom menino, e a dividir balas com seus amiguinhos sovietes, inclusive com os vários franco atiradores que vinham brincar com ele.

Até que em  março de 1940 um atirador sovietico conseguiu atingir Simo que praticamente perdeu metade da cara. Mas ele não morreu, embora tenha ficado em coma por 11 dias, despertando no mesmo dia que a Guerra de Inverno terminou.

Ele ficou meio danificado, mas duvido que voce tivesse se saido melhor

Ele ficou meio danificado, mas duvido que voce tivesse se saido melhor

Coincidencia? Naturalmente que não. Já que informado do despertar de Simo, depois de ter sobrevivido à um fodendo tiro de sniper na cara, Stalin resolveu assinar um tratado de paz.

Simo ainda é creditado como o mais letal sniper da historia, com quase 600 mortes confirmadas e outras tantas usando sua submetralhadora Suomi, o que elevaria o total para cerca de 700. Isso porque a guerra durou pouco mais de 100 dias.

Simo morreu em 2002, aos 96 anos, um cara humilde e tranquilo, e possivelmente a maior maquina individual de matar da historia.

Simo_Häyhä's_grave

 

  • Frogwalken

    Grato pela informação! =D

    Falando em LETALIDADE, Zweist, viu o trailer de Tomb Kings ? #SettraÉFoda

    • O Impronunciável Zweist

      Não tinha visto ainda. Os Tomb Kings são uma das facções mais interessanstes de Warhammer Fantasy e se mantem assim, ao contrário de seus primos metalizados, Necrons que começaram bem e agora estão derrapando feio no lore

      • Frogwalken

        Sim, o Settra que mal conheço e já considero pacas! =D

        Só queria saber se procede o ódio dos fãs por End Times, já que o final foi bem babaca.

        https://1d4chan.org/images/thumb/2/2f/Settra_Rules.jpg/400px-Settra_Rules.jpg

        https://i.ytimg.com/vi/yVQSnxAdwmA/maxresdefault.jpg

        • O Impronunciável Zweist

          Boa parte parece histrionismo fanboyistico, mas o pessoal andou reclamanto muito da infiltração, digamos assim, de elementos de WH40k em Fantasy.
          E nunca que final de coisa alguma vai agradar totalmente o pessoal

          • Edalmir Biscaia Das Neto

            O fandom é tão lixo assim com o cânone da franquia?

          • O Impronunciável Zweist

            Fandom tem esse perfil meio imbecil mesmo. Um tipo de miopia talvez. Mas como os escritores variam muito em qualidade em WH e WH40K, acaba acontecendo esse tipo de reação.
            Quando acontece de caras detestados pela maioria como Matt Ward escreverem sobre um acontecimento importante, aí sim há uma gritaria.

          • Edalmir Biscaia Das Neto

            Porra! Ninguém pode apreciar uma máscula fantasia medieval tranquilamente mais?

  • O_Comentarista

    E tem gente que fala que o cara do Sniper Americano era melhor…

    • [Better Call Harvey]

      Americano não sabe lutar, atirar e nem qualquer bosta, o que eles sabem é fazer filmes que vendem essa idéia.

      Tanto que graças ao Rambo, muita gente acha que os EUA ganharam a guerra do Vietna, quando na verdade perderam feio.

      Outra trapalhada grande foi o assalto ao bunker do Bin Laden, era só os caras descerem de helicoptero, pularem o muro e matarem o cara, mas quase derrubaram o helicoptero e morreram

      • O Impronunciável Zweist

        A grande vantagem do poder militar americano é a questão de recursos, que para os padroes europeus em particular, pareciam infinitos. O soldado em si, em particular fora das forças especiais, nada tem de especial, ainda que não seja realmente podre, como o italiano por exemplo.

        A derrota no Vietnã foi politica, não militar. O exercito Norte Coreano e o Vietcong nunca tiveram grandes vitorias alem da Ofensiva Tet, estrategicamente falando. Em questão tática tinham grande vantagem realmente, mas, se não fosse a ação do publico americano em tirar os soldados de lá, não seria o bastante para vencer. Acabaria que o conflito se arrastaria por mais tanto tempo, além do mandado do Nixon provavelmente. Os americanos retiraram suas tropas em 73, e só em 76 o conflito acabou, com a tomada de Saigon.

        Um filme que mostra que a doutrina americana de extrema confiança nos equipamentos só funciona atpe que um parafuso caia é Falcão Negro em Perigo, onde tudo que podia fuder, fudeu.

  • Glaydson Melo

    Aquele russo que o Jude Law interpretou no Círculo de Fogo deu sorte de não ter topado com esse finlandês.

    • Anubis_Necromancer

      Jude Law não era o russo.

      • Glaydson Melo

        Sério? Não lembrava desse detalhe. Mas era um soldado da União Soviética durante a Segunda Guerra, não?

        • Anubis_Necromancer

          Não, vc está certo. eu confundi ele com o Ralph Fiennes (faz muito tempo que vi o filme).
          Coisa de memória.

          • Glaydson Melo

            Tranquilo, não dá (ui) pra lembrar de tudo. É um Bom filme de guerra, faz um contraponto legal com O Resgate do Soldado Ryan. Sobretudo se compararmos as cenas iniciais dos dois filmes.

  • o Inconcebível Bob Balburdia

    UMA LENDIA!!

    Acho que não tem um soldado real que se compare com esse cara. E olha que tem muita gente foda…
    O Zweist poderia fazer mais posts de gente real e badass como o Simo.
    E até um post sobre MULHERES badass, que eu sei que existem várias.