Semana do Relativismo Tempo Espaço – A Guerra Eterna

FoeverBar

A guerra mudou.

No distante futuro de 1997, houve o primeiro contato com alienigenas. Que não foi muito amistoso. Os misteriosos Tauranos atacaram e destruiram uma nave em missão de colonização, o que inicia um conflito violento.

Dada as dificuldades envolvidas nas longas viagens, não se pode dar ao luxo de enviar grandes contingentes para o combate. A solução é mandar elites com o melhor que a tecnologia pode oferecer. Um desses é William Mandella, que preenche os requisitos do alistamento obrigatorio, ou seja, QI superior a 150 e fisicamente apto.

O treinamento, feito em Caronte,  é brutal, e uma preparação para combates ainda mais brutais, seguindo o ponto de vista de Mandella, enquanto ele tenta entender as motivações dessa guerra e seu papel nela, bem pouco empolgado em fazer parte disso.

Um fator importante é justamente o efeito de dilatação temporal nas viagens espaciais. Essas viagens são feitas através de antigas estrelas em colapso, collapsars, que ligam vários sistemas estelares. No tempo que a nave leva para ir de um lugar para outro, dias, semanas ou meses na nave, anos se passam na Terra.

the-forever-war1

Isso afeta diretamente os fatores sociais e economicos na sociedade que Mandella encontra entre suas viagens, e os efeitos são imensos. Então um grande nivel de choque cultural acaba acontecendo também, principalmente quando os efeitos das viagens fazem a idade “terrestre” de Mandela acumular mais de três digitos.

Como muitos veteranos, o autor, Joe Haldeman experimentou um certo “estranhamento” com a sociedade ao voltar da guerra, com muitas mudanças acontecendo ao mesmo tempo e isso se reflete no texto.

Haldeman veio do Vietnan com algo mais que lembrancinhas compradas no aeroporto. Trouxe também alguns traumas e isso se reflete no livro. Foi meio escrito como um post vingancinha à Tropas Estelares, o que ninguém esperava é que Robert A. Heinlein acabasse curtindo o livro e mandasse um parabéns para Haldeman, o que meio que estragou a vibe.

O livro gerou duas continuações bem posteriores, Forever Free e Forever Peace, além de uma musica do grupo Alphaville, Forever Young , três Graphic Novels belgas, que Haldeman inclusive ajudou a fazer.

Postiormente, arma gera um campo de estase, que obriga o uso de armas brancas

E podem ser adquiridos no templo do Eudes.

O que não avança é uma adaptação, em animação, para cinemas, que Ridley Scott estava tentando fazer, já há alguns anos.

É um livro muito bom, e os quadrinhos servem perfeitamente bem para quem não consegue ler sem desenhos, e um contraponto muito interessante à Tropas Estelares por exemplo, além de ter, algumas discussões bastante relevantes para hoje em dia.

Então é recomendação firme.

  • O_Comentarista

    E eu pensando q a guerra eterna era entre judeus e muçulmanos…

    • O Imatável Polvo Aranha

      Essa vai acabar quando eles começarem a usar bombas nucleares.

      • Alan Rivarola

        O fim está próximo.

        • O Imatável Polvo Aranha

          Tomara!

    • [Better Call Harvey]

      dizem q a guerra eterna é entre Judeus vs ALL

      • Edalmir Biscaia Das Neto

        E se eles não darem moral?

  • O Imatável Polvo Aranha

    O distante futuro de 20 anos atrás.

  • Anubis_Necromancer

    A Guerra nunca e benéfica apa ambos os lados.

  • o Inconcebível Bob Balburdia

    Imagina o cara escrever um livro pra dar uma cutucada em alguém e esse alguém acabar gostando.
    Tantas horas escrevendo, enchendo o cu de dinheiro com as vendas e o cara vai lá e elogia? Hora porras!!

    brincadeiras a parte, parece um livro interessante e um tema sempre atual.