Mike Mignola: Um artista na contramão.

mike-mignola-self-portrait (1)

Mike Mignola é um gênio das HQs, que não reste dúvidas quanto a isso!

Seu estilo único é “complexamente simples” é reverenciado até hoje por artistas do naipe de Alex Ross e Bruce Timm. Mas, se você leu meu último post sobre Hellboy no Inferno, viu que eu falei que Mignola estava sofrendo de uma “regressão reversa” quando, na verdade, eu quis dizer “progressão reversa”, ou seja, o sujeito estava avançando no tempo com o traço fazendo o caminho inverso.

mamilos

Muita gente vai discordar de mim e bater o pé dizendo que o traço do sujeito ainda continua “sensacional”, “lindo” e outros adjetivos enaltecedores. Talvez pelo carinho e admiração que as obras do sujeito incitam nos fãs, como eu, mas isso está longe de ser verdade e hoje vou explicar por que penso assim. Para tanto, vamos acompanhar a evolução do traço de Mignola em Hellboy. Mas, primeiro, vamos mostrar como esse estilo se iniciou.

Mignola foi originalmente contratado como arte finalista pela Marvel. Em 1984 assumiu como desenhista pela primeira vez, em uma história curta do Namor na Marvel Fanfare . Com um traço MUITO diferente do qual estamos acostumados,pode-se dizer que com um traço “mais tradicional”, ainda assim Mignola tinha algo muito próprio e já mostrava seu amor pelo tom sombrio em suas tramas.

namor1

ddf7decbe54b1f487c34ea2a001ad8fd

Mas foi em 1988, ao lado do desenhista Jim Starlin, que Mignola mostrou  dar os primeiros passos em direção ao seu famoso estilo na saga Odisseia Cósmica. Personagens desenhados de maneira simples e angulares, com o sombreamento marcante, ainda que muito mais leve nessa época, fizeram de Odisseia Cósmica uma HQ atemporal e uma das mais belas obras, visualmente falando, da DC até os dias de hoje.

0028c0a2

co-01-017

Nos ano seguinte ele produziria, ao lado do roteirista Roger Stern, “Dr. Estranho e Dr. Destino: Triunfo e Tormento”, dessa vez trabalhando mais o uso das sombras e já flertando fortemente com temas sobrenaturais.

drs strange and doom 00

DoomvsMephisto06

DoomvsMephisto13

Em 1993 ele trabalharia em duas obras onde definiria de vez o estilo que seria empregado em Hellboy, “Aliens: Salvação” e a adaptação de Drácula de Bram Stocker para os quadrinhos, está segunda uma perola que, infelizmente, não chegou ao mercado brasileiro.

AliensSalvation f6caa0275c574a653dfffe2b9ff33787

Bram Stoker's Dracula #1 Page 00

Bram Stoker's Dracula #1 Page 27

E foi também em 1993 que Hellboy debutou em Next Men, de John Byrne, e  também ganhou uma história curta que seria distribuída na San Diego Comic-Con daquele mesmo ano.

Hellboy em Next Men.

Hellboy em Next Men.

Hellboy em sua primeira história solo distribuída na San Diego Comic-Con de 1993.

Hellboy em sua primeira história solo distribuída na San Diego Comic-Con de 1993.

Em 1994 chegava as comic shops americanas “Hellboy: Sementes da Destruição”, um sucesso que foi seguido de outras grandes histórias como todos nós bem sabemos. Isso posto, é hora de efetivamente falar da arte do Mignola. Em “Sementes da Destruição” e “Os Lobos de Santo Augusto”, Mignola manteve o traço inicial, sempre muitíssimo bem detalhado, com um Hellboy de ombros largos sempre aparecendo em closes e painéis que o mostravam  claramente como um brutamontes.

Versão colorizada da primeira versão de Hellboy por Mike Mignola.

Versão colorizada da primeira versão de Hellboy por Mike Mignola.

Originalmente, Hellboy seria membro de um supergrupo. Perceba que ele teria um braço esquerdo de metal, no PIOR estilo Cable! Ainda bem que o Mignola desistiu disso...

Originalmente, Hellboy seria membro de um supergrupo. Perceba que ele teria um braço esquerdo de metal, no PIOR estilo Cable! Ainda bem que o Mignola desistiu disso…

Primeiros esboços do bom e velho Hellboy como o conhecemos!

Primeiros esboços do bom e velho Hellboy como o conhecemos!

Mias esboços de Hellboy, já recebendo os ajustes finais! Percebam que a mão direita dele desencaixa...será que teria uma razão pra isso?

Mias esboços de Hellboy, já recebendo os ajustes finais! Percebam que a mão direita dele desencaixa…será que teria uma razão pra isso?

A partir de “O Despertar do Demônio” já era perceptível uma grande simplificação no traço de Mignola, agora com personagens muito mais angulares, sem tantos detalhes na musculatura e com menos closes dramáticos em Hellboy. Esse traço seguiu sendo simplificado nas histórias seguintes, como pode ser claramente notado no encadernado “A Mão Direita da Perdição”, onde os traços estão ainda mais simples.

Sementes da Destruição e seu traço detalhado com seus closes dramáticos.

Sementes da Destruição e seu traço detalhado com seus closes dramáticos.

Em "O Despertar do Demônio", Hellboy ganha traços mais angulares e simples.

Em “O Despertar do Demônio”, Hellboy ganha traços mais angulares e simples.

Hellboy comparação

Mas isso foi ruim? De forma alguma! Apesar de ainda achar o traço de Sementes da Destruição e Lobos de Santo Augusto” (ou “Lobos de Santo Augustinho”, caso você só tenha o vol. 3 da Coleção História, ” O Caixão Acorrentado e outras histórias”) as coisas mais lindas de toda a saga do vermelhão, essa simplificação, unida ao domínio de luz e sombras de Mignola e a sua narrativa totalmente inspirada pelo expressionismo alemão, teve um resultado fantástico e, possivelmente, tenha dado mais velocidade ao trabalho de Mignola, que precisava desenhar tirinhas semanais do Hellboy para os jornais (sim, muitas das historietas do Hellboy foram publicadas originalmente em tirinhas).

"O Varcolac", uma das tirinhas de Hellboy que, posteriormente, foi adaptada para o formato tradicional das HQs.

“O Varcolac” em seu formato original de tirinha que, posteriormente, foi adaptada para o formato tradicional das HQs e saiu em “A Mão Direita da Perdição”.

Essa simplificação se seguiu e tomou uma proporção mais perceptível em “Paragens Exóticas”, onde Mignola trocava os traços detalhados de músculos e dobras das roupas por traços rápidos e secos, e a total falta de cenários em algumas páginas era algo gritante. Ainda assim, casando perfeitamente com seu estilo minimalista. E foi quando Mignola resolveu ceder o lápis de Hellboy para outras pessoas, pois já não estava satisfeito com seu traço…

A "simplicidade complexa" presente em Paragens Exóticas.

A “simplicidade complexa” presente em Paragens Exóticas.

A partir daí dois nomes se tornaram comuns em Hellboy, Richard Corben, que desenhava aventuras curtas sem grande relevância na trama principal, e Duncan Fegredo, que substituiu efetivamente Mignola na continuidade.  Fegredo tinha uma certa similaridade com o traço de Mignola nos primórdios de Hellboy, só que sem a angularidade acentuada do traço original. Ainda assim, um ótimo substituto. Do Richard Corben eu confesso que nunca gostei. Todos os seus personagens parecem anões deformados…mas tem quem AME e defenda o cara com unhas e dentes. Devo confessar que o traço “Anões Defeituosos Everywhere” dele em Hellboy não me incomodou tanto.

Página por Richard Corben.

Página por Richard Corben.

Página por Duncan Fegredo.

Página por Duncan Fegredo.

Aí Mignola resolve voltar um dia e desenhar algumas histórias curtas, como “O Legado Whittier”, de 2010. E aí já estava claro que talvez o Mignola estivesse simplificando demais…

Os traços rápidos e secos vistos em “Paragens Exóticas” se tornaram grandes garranchos que pareciam ter sido feitos com um lápis com a ponta quebrada, o traço angular e reto agora estava tremido…tudo estava bizarramente simples demais, mais parecidos com um grande esboço colorizado.

4820683_orig

Cena final de “O Legado Whittier”.

“Mas tudo bem, essa era uma história curta, de 10 páginas apenas, ele poderia ter feito as pressas, só isso!” era um pensamento que poderia gerar consolo. Mas foi quando Mignola retomou os desenhos com “Hellboy no Inferno” que a cruel verdade foi revelada: aquele ERA MESMO o atual traço de Mignola. E eu lamentei…

E é aí que muita gente pode bater o pé e dizer que “Ainda tá bonito! Tá estiloso! Quero ver você fazer melhor!” e outros argumentos similares. Mas, pessoal, usem o bom senso e sejam honestos consigo mesmos… está LONGE de ser a sombra do que o Mignola foi um dia! Ele ainda domina o uso de luz e sombras? Divinamente! Mas os seus personagens são sempre deformados, com rostos muitos similares, sempre redondos e com narizes se limitando a uma linha curva e torta. A simplificação do Mignola chegou a um nível que parece que o cara só faz o esboço e manda o Dave Stewart jogar a cor por cima, quase um Yoshihiro Togashi americano (artista japonês que, muitas vezes, entregou páginas de seu mangá, Hunter x Hunter, ainda na fase de esboços para serem publicadas)!

Página do vol.2 de "Hellboy no Inferno". Simplicidade exagerada.

Página do vol.2 de “Hellboy no Inferno”. Simplicidade exagerada.

Página do vol.4 de "Hellboy no Inferno".

Página do vol.4 de “Hellboy no Inferno”.

Hellboy parece um pedaço de madeira segurando uma arma nessa página do vol.9 de "Hellboy no Inferno"

Hellboy parece um pedaço de madeira segurando uma arma nessa página do vol.9 de “Hellboy no Inferno”

Na edição 7 de “Hellboy no Inferno” temos algumas páginas aquareladas e elas ficaram belíssimas, pois trouxe uma leveza a esse traço pesado e garranchudo do Mignola.

de5a0cd9c3753dd1e67b4dd9639a8300

A bela colorização destas páginas disfarçaram bem as deformidades no traço do Mignola.

Enfim, essa é uma opinião pessoal, você tem todo o direito de achar que o Mignola ainda tá bem. Em minha opinião fecal, mesmo com todos os defeitos que eu apontei, o sujeito ainda dá um banho em muito desenhista por aí. Não sei se foram os anos de trabalho que acabaram cansando o sujeito, como aconteceu com John Byrne, John Romita Jr., Dave Gibbons e tantos outros desenhistas que surgiram nas décadas de 70/80, mas bem que eu gostaria de ver uma HQ do Hellboy com o Mignola tentando voltar ao seu antigo traço. Uma “involução positiva”, por assim dizer. Agora é esperar pra ver se um dia ele voltará aos traços do vermelhão ou se “Hellboy no Inferno” foi mesmo sua última incursão como desenhista de sua maior criação. Espero, sinceramente, que não.

  • O_Comentarista

    Já pensaram que o Mignola pode ter alguma doença degenerativa?

    Ou pode ter ficado relaxado mesmo…

    • PCB

      “Pau vei tá podre”

    • Frogwalken

      Me lembrou caso do artista William Utermohlen que tinha Alzheimer
      e fez retratos de si mesmo até esquecer como desenhar…

      http://i.imgur.com/NAaMvPk.png

      • [Better Call Harvey]

        nossa que parada mais triste

        • Frogwalken

          É como perder parte da alma lentamente, é tenso demais.

    • [Better Call Harvey]

      “Já pensaram que o Mignola pode ter alguma doença degenerativa?”

      Tipo Frank Miller?? Se tiver uma queda na qualidade do roteiro ai pode ser que sim

  • Luc Luc

    Caraaa, eu amo o traço do Mignola em todas as suas épocas, principalmente agora, com esse traço mais simples.

    • hellbolha2

      SUA OPINIÃO NÃO CONTA! VOCÊ NÃO GOSTOU DA HISTÓRIA DE ORIGEM DA MÃO DIREITA, SEU SACRIPANTAS!!! LEIA DE NOVO!!!

  • Glaydson Melo

    Fui ver o preço da Odisseia Cósmica na Amazon e desanimei. Tá mais de 60 golpes. Mas tenho o Trunfo e Tormento que comprei ainda muleque gordo e catarrento, com a capa desbotada do sol. Mas por dentro está impecável.

    Não tenho nada do Hellboy, mas estou ficando tentado pelo Hellbolha em comprar. Felizmente, no quesito regressão, Mignola ainda ganha do Miller e do Byrne, sendo que este pra mim deixou de desenhar bem desde o fim da fase no Namor; na Mulher Maravilha já tava com o traço todo quengado.

    • hellbolha2

      Procure “Hellboy: O Verme Vencedor” e “Hellboy: A Mão Direita da Perdição”, esse segudo com capa cartonada e papel jornal, ambos os mais baratos de se achar. Deve tá sendo vendido por uns 15 reais em sebos e internet afora.

      • Glaydson Melo

        Beleza, vou procurar sim. Só mais uma observação sobre o braço mecânico do Hellboy… lembra que ele fez umas páginas da revista X-Force, numa cena com o Cable no futuro? Ele deve ter gostado da ideia a partir daí. E essa revista do Drácula, que arte incrível!

        • hellbolha2

          Eu tenho essa da X-Force, comprei só por causa dessas poucas páginas desenhadas por ele. E, sim, Drácula tem uma arte sensacional!

    • [Better Call Harvey]

      Odisséia Cósmica comprei ano passado numa promoção da FNAC por uns R$ 50,00. Paguei no vale cultura :P

      Comprar encadernado é isso, ficar estalkeando até rolar uma promoção foda.

      A história é foda, mas os desenhos são melhores ainda

  • Acho que curto mais essa fase intermediária entre o primeiro traço e este atual, simples mas não tanto e com esse trabalho sempre foda de luz e sombra!

    • hellbolha2

      Sim, era um ponto de equilíbrio. Um ótimo ponto de equilíbrio, aliás!

    • [Better Call Harvey]

      Discordo!! Eu curto mais a 1ª fase, mas a intermediária tmb é muito boa.

  • Frogwalken

    Mignola é fã do Liefeld, é a única explicação…

  • [Better Call Harvey]

    Cara que puta post foda!!!

    Se for lendo aos poucos, passando em ordem cronológica, esses detalhes meio que “passam despercebido”, porque toda a essência do traço tá lá, apenas os detalhes e o cenários que foram mais suprimidos.

    comparando lado a lado a diferença é gigantesca, mas vendo em separado parece tudo igual.

    Achei a comparação entre Mignola e Togachi sensacional!!! Os dois desenham muito bem, são criativos pra caralho e desenvolvem histórias como poucos, mas tão cagando no traço ou no prazo. Então o mais certo seria eles se dedicarem mais no roteiro e em alguns concept arts., enquanto que contratam alguma apenas pra desenhar emulando o traço.

    E falando em traço, Hellboy é uma das poucas hqs que possui décadas (2) de existência e que ainda mantem o mesmo traço e a mesma essência no desenho.

  • o Inconcebível Bob Balburdia

    POST GIGANTE

    Mas legal.