Marvel Comics A História Secreta

Quem diria que a melhor e maior saga da Marvel seria justamente a história da própria Marvel?

marvel

 

Escrito por Sean Howie, Marvel Comics A História Secreta é a biografia da editora, contando sua história, e histórias, desde a Timely láaááá nos anos 40 até recentemente (o livro saiu lá na civilização em 2012).

O livro conta como a pequena Timely começou como parte de um grupo editorial e suas primeiras criações, o Tocha Humana e Namor. E foi criando outros heróis, absorvendo alguns com o tempo, enfrentando a concorrencia da poderosa National Comics (posteriormente DC Comics) e conquistando seu lugar ao sol, as vezes com picaretagens bem Quesadianas, mesmo antes do cara nascer (As duas editoras combinaram um aumento de preços. E assim foi no primeiro mês. No segundo a Marvel, sem avisar nada, BAIXOU para o preço original e assumiu a liderança pela primeira vez em, o que, quarenta anos?). E claro, trazendo um pouco mais de humanidade para os quadrinhos, cortesia dos, pra época, avançados dialógos de Stan Lee.

Uma coisa que Stan Lee fez bem, e isso sempre é apontado como uma das razões do sucesso da Marvel foi dar  “pés-de-barro” aos heróis. E rapaiz, nesse livro o herói com mais defeitos é o próprio Stan Lee. Do tempo que ele cagava pros quadrinhos (ele tava afim é de fazer cinema), mas adorava ser conhecido como o criador deles, e para isso ficou com o crédito devido a gente como Jack Kirby e Steve Ditcko. Ou como foi legal empregando um dos criadores do Super Homem, depois que a DC cagou na cabeça dele.

"Dividir royalties? Eu que também criei o avião, a penicilina e o ponto de exclamação?"

“Dividir royalties? Eu que também criei o avião, a penicilina e o ponto de exclamação?”

O livro tem dois momentos especificos, pelo que notei. E eles ficam misturados em certos momentos, mas dá pra notar quando se separam. Uma parte, em particular no começo do livro, até mais ou menos a metade, se fala muito da historia em si, da parte criativa e tals. Quando a empresa passa a ser “serious business” é um tal de vendas pra cá, assimilação pela corporação tal, investidor trambiqueiro fulano e por aí vai. Mas acredite, toda essa papagaiada de negócios é absolutamente vital para mostrar como a Marvel chegou onde está e o mar de merda que teve que atravessar.

Felizmente, Jack Kirby teve ajuda no começo de sua carreira.

Felizmente, Jack Kirby teve ajuda no começo de sua carreira.

É interessante notar como a trajetória da Marvel até agora é meio que uma história de super herois. O começo humilde (meia dúzia de sujeitos), os primeiros passos com o poder, os erros cometidos, as surras dos adversários e circunstancias ( da DC, do Código de Ética, do mercado de quadrinhos que incha e emagrece igual gordo), a terrivel era das trevas (final dos 80 e quase todos os 90, a falência, e como as práticas safadas de mercado da Marvel quase fuderam o mercado dos quadrinhos como um todo, como um bando de funcionários que “manjam” de quadrinhos, num certo  momento tiram sarro da arte de Kirby, provavelmente achando “datada”) e finalmente o renascimento, ou como a Marvel sempre faz, um reboot que não é, nas palavras de Stan Lee nos anos 60 “Os leitores não querem mudanças, querem ter uma ilusão de mudança.”

O que nos trás aos dias de hoje. A cronologia unificada, algo no qual a Marvel se destacava e era pioneira, se tornou uma amarra na maioria das vezes, um mal recorrente que causa aberrações como One More Day, Franklin Richards (no mínimo seis anos mais velho que a irmã, hoje parecem ter uma diferença de no máximo dois anos), Marvel Now, NEW Marvel Now, New Marvel Now Champion Edition e por aí vai.

Enfim. O livro vale a pena e é muito interessante como bastidores da Marvel e da industria em geral, mesmo que seja da editora que não publicou Cavaleiro das Trevas, nem Watchman, nem Crise das Infinitas Terras, nem A Piada Mortal, nem Reino do Amanhã, nem Ano Um, nem nada da Vertigo, nem….

 

Capitão Marvel que vale. Chorem haters. É Shazam agora para não confundir com o personagem e a editora inferior.

Capitão Marvel que vale. Chorem haters. É Shazam agora para não confundir com o personagem e a editora inferior.

  • Felipe P. Silveira

    “Capitão Marvel que vale. Chorem haters…” Com a imagem do Capitão Fraldinha? Os DeCenautas já foram melhores!

    • Aquaman de BH

      Calado, Marveco.

      Vá ler Superior Aranha-Homen, vá.

  • O_Comentarista

    Esse livro deve ser um manual de como fazer quadrinhos de forma safada.

  • Vdomiciano

    Vi na saraiva e ia comprar – mas 59 reais num vale mesmo! Aí penso, vou comprar na internet – só que esqueço…

    • Glaydson Melo

      Comprei por 39 na Saraiva, mesmo…essa inflação…

  • Marko

    Grande parte do sucesso da Marvel também muito em parte é pelo empenho dos seus editores, tomara que citem Jim Shooter, que era tão carrasco quanto perfeccionista quando foi editor, que ganhou o apelido de Doutor Destino (e foi responsável pela alavancada da Marvel nos anos 70 e por se intrometer e melhorar grandes sagas, como a saga da Fênix por exemplo). Anyway, espero que algum dia lancem um livro desses sobre a DC Comics (a editora que vale).

    • Felipe P. Silveira

      Não se preocupe, Jim Shooter é nome de capitulo no livro!

  • Caio Egon

    essa bomba não chegou aqui :(

  • MaxRicardi

    capitão marvel é foda

  • Bob_Balburdia

    “New Marvel Now Champion Edition”
    Eu ri dessa leseira.

  • Anubis_Necromancer

    Alguém viu a nova animação do Stan Lee?

  • Glaydson Melo

    A mudança no tom do livro, ao meu ver, foi mais decorrente do crescimento da Marvel como empresa/negócio mesmo, quando deixa de ser um local de criação e de criatividade e passa a ser uma fonte de capitalização através dos personagens. Também ocorre que a partir daí passam a ser tantos artistas (escritores, desenhistas, editores, etc) aparecendo a partir deste momento da “biografia” da Marvel, que a leitura fica um pouco mais complicada, mas não deixa de ser saborosa (hum…). Pra mim, os momentos mais interessantes do livro são o inpicio, na Timely, porque acabei fazendo um link com o primeiro volume da série Marvels, e a década de 60, início de 70, principalmente ver como as revistas e seus personagens exerciam um papel de contracultura exitante; também é legal ver como algumas histórias foram inspiradas por situações ocorridas dentro da própria editora. Recomendado, ainda mais pelo preço relativamente razoável.

  • Legal q vc leu! Eu protelei a leitura dele até entrar de férias (fim de ano), e não consegui parar de ler ele (pelo menos 10 paginas no mínimo por dia) pois é mto bom! Como eu comentei no ep. do crossover, um livraço!

  • alex_st

    aproveitando, leiam o livro “Homens do Amanhã” que conta a história da criação do mercado de comics. E descubram como um tal de Bob Kane é um filho da Puta de marca maior.

  • Pingback: » Bem Amiches #27 – Indicações indicativas que indicam o Índico?()