Iggy And The Stooges – Raw Power

Um marco musical!CD4

Se Malcon McLaren (empresário e criador do Sex Pistols) ficou boquiaberto ao ver uma apresentação do Ramones, o que deixava Joe e o resto da trupe atônitos? A resposta é simples, o Stooges, com suas apresentações caóticas e performances alucinadas de seu vocalista Iggy Pop.

Porém o grupo que lançou o disco apresentado neste post e que na época de lançamento foi carinhosamente apelidado de “a trilha sonora do apocalipse”  nunca foi um grande sucesso. Na verdade a carreira dos Stooges durou bem pouco, e o terceiro e mais bem sucedido disco só foi lançado por insistência de um fã chamado David Bowie (que na época voava baixo com o estrondoso sucesso de Ziggy Stardust). Ainda bem.

Muitas pessoas, inclusive este que vos escreve, aponta o Stooges como os pais do punk rock, e Raw Power é a prova máxima disso. O disco lançado em 1973 é a síntese do que estaria por vir com a enxurrada de bandas que viriam a seguir tanto da terra da rainha quanto do próprio Estados Unidos. Sabe aquela polidez, esmero e complexidade das bandas de rock progressivo? Pode esquecer toda essa merda, durante as 8 faixas dessa pérola, o que se encontra são gritos, rispidez e sujeira no talo!

Não vou me preocupar e falar das faixas, pois são todas igualmente excelentes. Search and Destroy é com certeza a mais conhecida, mas como não se apaixonar por músicas como Shake Appeal e Your Pretty Face Is Going To Hell?

Como de se esperar, após a turnê de divulgação de Raw Power, a bomba relógio que era o Stooges finalmente explodiu. Iggy se internou em uma clínica de reabilitação para se livrar da heroína e depois seguiu em uma bem sucedida carreira solo ajudado por Bowie, lançando discos como Lust For Life e The Idiot, bons mas longe do que um dia foi sua banda anterior. Os irmãos Ron e Scott Asheton seguiram em projetos de menor importância e o baixista Dave Alexander segui para o caixão, vítima de um edema pulmonar em virtude de uma pancreatite por abuso de álcool e drogas em 1975.

Raw Power foi o único disco bem aceito do grupo, porém não se tornou um grande sucesso. Porém a influência dele e de seus antecessores (The Stooges de 1969 e Fun House de 1970) e outros artistas fez com que os mesmos ganhasse, visibilidade e fossem relançados e remasterizados nos anos e décadas seguintes. A respeito de Raw Power, eu já possuí umas três versões diferentes, sendo que uma a mixagem era horrível, tirava toda a parte legal da música (microfonias, aspereza e essas merdas), então cuidado ao procurarem por aí.  A Legacy Edition de 2010 é boa, não é a melhor mas é boa.

E como o nome dessa coluna é ‘Discos Que Nos Marcaram’, com Raw Power não seria diferente. Com 15 anos, eu era um jovem padawan no caminho do rock, apaixonado especialmente pelo punk e me sentindo o rei do bom gosto, com meus Green Days e outras porcarias. Sempre tive curiosidade de procurar as origem das coisas que gosto, e assim conheci grandes artistas como Chuck Barry, Robert Johnson, Alice Cooper Band e Iggy and The Stooges. Bastou um play nesse curto álbum pra perceber na época que eu não merda nenhuma (não tá escrito errado, é piada interna do site) de punk. Recomendo ouvir no volume máximo.

  • O_Comentarista

    Iggy eu respeito.

    O cara usou de tudo e ainda tá vivo, embora tá só o filé da borboleta.

    • cgui

      filé da borboleta é um termo que nunca tinha ouvido, AIHUAHUHUAIUAUAIUHAHUIIHUAIU

      • Você é muito juvenil Cgui! =D

      • Egon o fantasminha camarada

        Serio isso? Comequepodeissubatema?

      • corto_superior

        Filé da borboleta, também conhecido como chassi do grilo.
        É?

  • Pingback: xmt85c4wx5ctwxw3tcerthve56()

  • Pingback: x78bn5t37bc45rtb3x45ctbwxds()