Fenômenos Paranormais 1 e 2 por Godoka

Nem a pau eu vou fazer um post pra cada filme.

Holla, amiches, que tal? Tava de bobeira a procura de filmes de terror no VocêTubo quando me deparei com esses filmes, e como tinha me impressionado com o trailer do primeiro lá em 2011 (piadinhas com delay liberadas) resolvi conferir os 2 numa só cacetada. E aqui vão as críticas:

Fenômenos Paranormais

No primeiro filme, de 2011, acompanhamos a reprodução de fitas misteriosamente encontradas que estavam nas câmeras que pertenciam à equipe de produção do programa Grave Encounters, um desses shows de tv que vão à locais assombrados para tentar registrar alguns fenômenos. A equipe inteira desapareceu em 2003 após uma viagem para uma cidade no interior do Canadá para a gravação do sexto episódio do programa, em um hospital psiquiátrico abandonado em. O hospital possui um histórico de avistamentos paranormais por parte de moradores locais e uma macabra história no passado, quando um grupo de pacientes assassinou brutalmente um dos médicos. A realidade é que o programa é uma bela de uma farsa (assim como os programas reais, na minha opinião) e paga as pessoas para darem depoimentos falsos na frente da câmera e forjam os efeitos, até tem um médium charlatão que me lembra muito aquela mulher que ia no programa da Sônia Abrão.

O caldo começa a entornar quando eles captam algo real e resolvem ir embora. O hospital torna-se um labirinto vivo, impedindo os bocós de fugirem do local. A cena onde eles resolvem arrombar o portão de entrada e descobrem um novo corredor atrás da porta me fez soltar um leve ‘ha-ha!’ à lá Nelson. Fora essa sacada legal, o filme segue intercalando momentos meio chatos e óbvios e bons sustos. Acaba sendo um filme divertido, mas mediano, não impressiona em nada. O final é satisfatório, e deixou a película aberta a uma continuação, mas não obrigatória.

Fenômenos Paranormais 2

Com o sucesso inesperado por parte dos produtores, no ano seguinte foi lançada a continuação. Dessa vez a história se foca em Alex Wright e seus amigos. Alex é um jovem estudante de cinema fascinado por filmes de terror, inclusive tem um canal no youtube onde xinga muito no twitter faz breves críticas sobre filmes. Após liberar o vídeo sobre o primeiro filme (é, o primeiro se assume como apenas um filme) ele recebe mensagens de um usuário chamado ‘A Morte Espera’. Instigado por este usuário, o mesmo começa a fazer uma investigação e descobre que o filme era real (plot twist de merda, rá!). Obcecado pela história, Alex resolve fazer um documentário sobre a verdade por trás do filme e marca de se encontrar com a pessoa com quem conversava na internet no hospital psiquiátrico.

Tirando a atitude idiota de marcar de se encontrar meia noite em um hospital psiquiátrico abandonado onde ocorreram mortes misteriosas e evidências paranormais concretas com uma pessoa alguém chamado ‘A Morte Espera’, o filme é bom, na mesma linha do primeiro. Os efeitos especiais estão mais caprichados, temos uns sustinhos legais, mas o filme se complicou mais do que respondeu os questionamentos do primeiro. No final do primeiro temos uma noção no porquê do prédio ser assombrado, mas no segundo a coisa meio que mudou um pouco de rumo. Spoiler no próximo parágrafo.

No final do terceiro filme somos levados crer que os fantasmas estão presos no prédio por que o psiquiatra muito louco  realizava cultos de magia negra no prédio, só que o fim desse filme leva mais pra aquela ideia de prédio vivo que vimos em O Iluminado. Fim do spoiler.

No geral os dois filmes são mediocremente bons. Não é aquela coisa que se diga “Nossa, mas que barriga foda, Senhor Filme!”, mas é um filmezinho legal pra vez com a galera.

Godoka
07/05/2014