Fantasma na Concha – Vigilante do Amanhã

“Ninguém sabe o que é Ghost in the Shell” disse a produtora.

ghost-in-the-shell-scarlett-johansson-800x573

Então a versão gringa de Ghost in the Shell heim?

Visualmente, está do caralho. Há cenas do filme original quase recriadas quadro-a-quadro. Os olhos cibernéticos do Batou e até a roupa de invisibilidade-que-faz-parecer-pelada está ali, e o que é melhor, grudada em Scarlett Johansson.

E é sobre isso que quero falar na verdade. Mais ou menos. Mas antes, outro trailer de um live action de anime que chegou a pouco de fora.

Fullmetal Alchemist e esse também está com um ótimo visual, guardadas, claro, as devidas proporções de produção e valores. Agora o que está acontecendo é o já costumeiro bafáfá sobre o chamado “white washing”, o hábito das produções de Holywood de escalar atores brancos para papeis de outras etnias, no caso óbvio, a muito caucasiana Scarlett Johansson no papel da japonesa Motoko Kusanagi.

Não é um costume recente, vem desde lá do inicio do cinema americano, então tivemos absurdos como o Mickey Rooney usando uma dentadura e apertando os olhos para interpretar o sr. Yunioshi em Bonequinha de Luxo ou John Wayne no papel de Genghis Khan em Sangue dos Bárbaros. E nunca parou ai.

breakfast-at-tiffanys-mickey-rooney-racist-asian-stereotype-yunioshi-review

A desculpa mais comum é que “atores de outras etnias não vendem tantos ingressos”. Claro, essa desculpa é a mais sincera e por isso mesmo a menos usada. A mais comum é que “essa é a pessoa certa pro papel”. Como se esquecer do mais infame exemplo atual, o elenco de O Ultimo Mestre do Ar? Que supostamente, deveria ser de chineses.

Quando até seus chineses são falsificados, é sinal de problemas

Quando até seus chineses são falsificados, é sinal de problemas

Já há algum tempo se tem feito o contrário, num esforço, canhestro, na minha opinião de reverter esse quadro. Ai, é claro, no afã de estar “do lado certo da História” temos coisas estranhas como o afro deus nórdico Heimdall. Mas é uma iniciativa.

O que tenho visto é gente reclamando que no filme de Fullmetal, o elenco é japonês, quando os personagens não são. O mesmo aconteceu com o live de Attack on Titans, onde o fato da Mikasa ser praticamente a ultima japonesa viva tem algum destaque.

attack-on-titan-live-action-movie-cast

É preciso dizer que a reclamação faz um certo sentido nesse caso, mas havemos de convir que, é mais fácil para um estudio americano encontrar atores de outras etnias do que um estudio japonês fazer o mesmo. A lingua e o fator financeiro certamente seriam dois empecilhos imensos.

Mas na verdade, o que está me deixando mais preocupado com o filme é as mudanças que parecem estar surgindo no roteiro. Pelo que deu a entender, a Major é um androide. Nas obras originais, o mangá e os animes, ela era uma mulher que teve o corpo substituido, um procedimento não tão incomum ali.

6de7c94fe8297b0024feb6f666d03c671394678849_full

O “fantasma na concha” é justamente isso, a mente humana num casco metálico. O questionamento é sobre uma pessoa não ser mais feita de carne ser ou não uma pessoa ainda. A abordagem parece que será outra.

A escolha da Scarlett Johansson, chamada apenas de Major no filme, até que não ficou ruim. Ela parece ter o mesmo “ar” digamos assim, da major Kusanagi no filme de 1995, bem mais sisuda que a do mangá. O elenco do filme, inclusive parece ter muitos orientais, inclusive o fodão Takeshi Kitano como o chefe Aramaki.

takeshi-kitano-09-18-15-1

O problema é o diretor, Rupert Sanders, fazedor de Branca de Neve e o Caçador. Ai fodeu, mas parece que dá para esperar com menos medo do que uma continuação de Dragon Ball Evolution ou, o Imperador nos defenda, Robotech.