Derek And The Dominos – Layla And Other Assorted Love Songs

Esse post foi difícil de escrever.

derekandthedominos-layla

Imaginem (apenas imaginem) a seguinte situação. Você conhece uma mulher e fica perdidamente apaixonado por ela, a ponto de ser capaz de qualquer coisa para ficar com ela. Cada pensamento do seu dia é voltado a ela, cada ato seu tem a ver com ela, você tem certeza absoluta de que foram feitos um para o outro, só que existe um pequeno problema, ela é casada. E pra piorar a situação ainda mais, ela é casada com um grande amigo seu. Pensou na merda? Pois é, essa é a pequena história por trás das composições deste disco.

O rapaz em questão era Eric Clapton, já um superastro na época, e a mulher era Patti Harrison, esposa de George Harrison. Prestes a lançar-se em um novo projeto, Eric queria algo para fugir da fama, queria que o grupo fosse ouvido pela qualidade musical de seus integrantes, e não somente pela sua presença, daí o fato de assumirem o nome Derek and the Dominos. A banda era formada por Bobby Withlock, Carl Radle, Jim Gordon e Duane Allman, guitarrista da Allman Brothers Band.

Lançado em 1970, Layla é composto por 14 faixas, sendo 4 delas covers, Nobody Knows You When You’re Down and Out, de Jimi Cox, Have You Ever Loved a Woman de Billy Myles, Key to the Highway de Big Bill Broonzy e Little Wing, de Jimi Hendrix. As demais 10 composições são quase em sua totalidade compostas por Eric e Whitlock, com mudanças e adições posteriores dos outros membros da banda, principalmente Duane Allman.

Esse é o meu disco favorito de Clapton, e figura entre um dos melhores de sua extensa carreira. É um daqueles discos os quais não dá pra destacar uma música ou outra, pois todas mantém o mesmo (alto) nível de qualidade. Todo mundo que conhece alguma coisa de Clapton já deve ter escutado a música Layla, que é a mais conhecida do disco. Se é que é possível destacar mais algumas músicas, eu escolheria I Am Yours, Bell Bottom Blues, Anyday e I Looked Away.

Infelizmente esse é o único disco do grupo, que inclusive é marcado por tragédias e problemas. Apesar da qualidade, Layla, não teve boa aceitação de público e crítica, ficando bem aquém das expectativas de Clapton. A banda entrou em uma bem sucedida turnê de divulgação do disco, regada a drogas e outros excessos.

A banda se desfez durante a gravação do segundo disco. Nessa época, Clapton já estava na merda devido ao seu vício em drogas e à depressão, que começaram durante durante a gravação de Layla ( em parte pela sua vida pessoal, em parte pela morte de Hendrix, que deixou Clapton arrasado na época), e entrou em hiato após o fim da mesma. Duane Allman morreu em um acidente de motocicleta um ano após o lançamento de Layla. Em 1980, Carl Radle morreu de insuficiência renal devido o abuso de álcool e drogas. Em 1983 Jim Gordom, esquizofrênico não diagnosticado, matou a própria mãe com um martelo em uma crise. Esse disco não tem fama de maldito à toa. Com o tempo Layla foi subindo nas paradas, mas o estrago já estava feito.

Como já dito, um dos melhores discos da carreira de Clapton. Especialmente recomendado para os fãs de Cream, de blues, rock e para pessoas que estão de saco cheio quase transbordando em relação às músicas românticas safadas e mal feitas que brotam como erva daninha por aí.

  • O_Comentarista

    Um ótimo disco, embora eu prefiro a versão acústica de Layla.

  • Connor Hawke

    Layla me lembra da minha ex chefe que era uma escrota do caralho que praticava assédio moral, minha vontade era entrar no meu ex emprego e meter FRECHA EM TODO MUNDO. Tomar no cu, tirando isso, a banda é boa :)

  • Foda!

  • Pingback: xmt85c4wx5ctwxw3tcerthve56()

  • Pingback: cnwy54wy54wy54wy5435te4c5t34()