Continuum – O Canadá também apostou em Sci-Fi.

continuum-poster-future-600x350

Esse o Canadá se fodeu, imagina como não a coisa não deve ter pego lá no Brazil.

Fala, cambada. Aqui estamos de volta para transferir sua chamada para nosso ramal de cancelamento de assinatura socar na sua mente um pouco de bom entretenimento com pegada de debate social.

Continuum, é uma série canadense, do Canal Showcase, que estreou em 2012 e tem como temática viagem no tempo, política social e um pouco de série policial.  O enredo se desenvolta ao redor da relação entre Kiera Cameron, uma Protetora do ano de 2077 (uma especie de policia municipal privatizada futurista, similar ao Olho-Público da Marvel-2099), e Alec Sadler, o homem que reinventou a sociedade.

Kiera com seu uniforme especial de 2077. Além de sistema de camuflagem/invisibilidade, ele gera um campo de força de proteção e descargas elétricas. E ela ainda possui uma arma expansível e um sistema computadorizado na cabeça, estilo Extremis.

Kiera com seu uniforme especial de 2077. Além de sistema de camuflagem/invisibilidade, ele gera um campo de força de proteção e descargas elétricas. E ela ainda possui uma arma expansível e um sistema computadorizado na cabeça, estilo Extremis.

No ano de 2077. Kiera além de gostosa, é uma competente, dedicada policial de direita, fruto de uma geração foi criada para servir e proteger o sistema. Ela é mãe de um garotinho, Sam. E casada com o executivo Greg Cameron. Nesse futuro, aparentemente uma série de eventos terríveis levou a mostrar como os governos públicos eram frágeis e acabaram falindo. Fazendo toda sociedade cair em um puro caos. Com isso, as grandes corporações assumiram o governo e salvaram a pátria. Mas não bem assim, conforme vai mostrando ao longo dos episódios. As corporações tomaram o sistema, mas pra criar essa nova sociedade eles acabaram com a liberdade individual. Tudo aquilo que antes era um direito, se tornou uma dívida com as empresas.  Se no nosso tempo você trabalha, pra poder melhorar de vida, lá você vive pra trabalhar. Tudo se baseia um sistema de créditos, onde seus serviços, diminuem seu débito. Servir como policial, soldado, médico ou qualquer coisa útil ao mercado reduz sua divida. É meio que o pesadelo de qualquer comunista de faculdade. Na verdade é o de qualquer pessoa. Mas isso só é mostrado com o tempo. No futuro temos também o Liber8. Um grupo terrorista que prega a liberdade individual a todo custo.  Empregando muitas vezes de violência pra alcançar seus objetivos de tentar acabar com as corporações. Apesar de serem tratados como sociopatas, maníacos e bichos-papões, com o tempo você percebe que eles não passam de pessoas que quebraram a cara feio com o sistema. Mas acabaram se tornando tão mal quanto aqueles que combatem.

elenco Continuum

Matthew Kellog, O trapaceiro. Kiera. Carlos Fonnegra, o melhor cara do mundo pra se confiar. Sonia, médica, genial e filha-da-mãe manipuladora de primeira, além de Milf e líder intelectual do Liber8. Alec, o escolhido científico. Travis Berta, o supersoldado fodão e lider de guerra do Liber8.

Após um atentado terrorista bem sucedido, o círculo interno do Liber8 é preso. Mas algo dá errado na execução e eles são mandado para o ano de 2012, antes de tudo dar errado. O que eles não contavam era que Kiera fosse mandada junto. E a partir daí rola um jogo de cão e gato. De um lado temos Kiera se juntando ao departamento de policia local, sob disfarce de uma agência de inteligência internacional. Trabalhando junto com o detetive local Carlos Fonnegra e seu departamento e a versão adolescente daquele que um dia moldará o futuro, Alec Sadler. Do outro temos o Libert8 se estabelecendo no nosso século tentando expor os planos MALEGNOS, das corporações antes deles acontecerem. E aí temos o grande atrativo da série. Os eventos criados pelos viajantes do tempo, vão alterar  futuro, ou são eles que vão gerar o futuro de onde vieram? Então temos Liber8 tentando mudar e Kiera preservar, pois se o futuro mudar, ela não poderá voltar pra sua família. Enquanto, isso temos Os dois Alecs.  Vou falar dos três principais personagens e espero que isso te de uma ideia.

Elenco principal na segunda temporada, já acostumados uns com os outros.

Elenco principal na segunda temporada, já acostumados uns com os outros.

Kiera Cameron (Rachel Nichols): A protagonista da série. De certa forma, Kiera é o X da questão.  Uma policial criada para lutar pelo sistema das corporações, que penou para conseguir uma vida estável com casa própria, renda fixa, uma família de comercial de margarina. Até ser jogada no passado e ter tudo aquilo que ela acreditava como certo questionado. E ela vai percebendo que a família dela não era tão perfeita.  Na verdade, nós vamos vendo que ela engoliu muita merda e passou por muita coisa e que no fim, ela foi pisada muitas vezes sem perceber.

Carlos Fonnegra (Victor Webster): Policial de 2012. Se torna parceiro de Kiera. Compreensivo, leal, integro. É durão, mas sem ser um babaca violento.  O tipo de cara que sabe que justiça a todo custo, não é mais justiça. É um contraponto a Kiera. Mostrando que liberdade, tem seus problemas, mas não quer dizer que não tenha seus valores. Sério, é um dos personagens mais “brother” da série.  E como todo bom nice guy, se fode.

Alex Sadler (Erik Knudsen/ William B. Davis): Se Kiera é o X e Liber8 é Y, Alec é a formula de Bhaskara.  Uma mistura de Reed Richards. Steve Jobs, Bill Gates, Mark Zuckemberg com Tyler Stone do Homem-Aranha 2099.   No futuro ele é o dono da Sadtech. Uma das gigantes corporativas que ditam as regras da sociedade. Nunca fica claro, suas intenções. Ele quer salvar o futuro? Ele quer apenas confirmar o futuro? Ele é um filho-da-mãe egoísta? Um herói trágico? Enquanto no passado, em 2012, temos o Alec como um nerd, vivendo com a mãe e o padrasto numa fazendo e ajudando Kiera, através de seu “laboratório” no celeiro. Alec é um pouco alivio cômico/futuro Messias. Tudo que ele quer é ajudar as pessoas, mas cada vez mais as pessoas se mostram não merecedoras disso.  Bom ou mal, uma coisa é certa. Alec é a personalidade mais vital do século 21. Ele vai mudar o mundo. Mas ninguém sabe dizer pra qual direção.

Enfim, espero que você assista. A série tem um bom roteiro com ação moderada e muita ficção científica e debate social.  Mas antes de ir fique com essa mensagem positiva.

2010 Mar10  Leona Lewis

Coruja
18/08/2014
  • Felipe P. Silveira

    Vi até a segunda temporada, depois parei por parar, a serie é boa.

  • Parece interessante isso aí, como gostaria de ter tempo!

    • cgui

      só tenho tempo pra jogar mmo…. serie não dá xp, :3

      • HAUHAUAHUAHUAHUAHUA!

      • O_Comentarista

        Qual MMO vc tá jogando?

        • cgui

          royal quest…. és um manjador?

          • O_Comentarista

            Q nada! Saí dessa vida.

            Agora só estou nos “joguenhos” do Steam

          • cgui

            então… só entrei nesse mundo de merda pq joga via steam mesmo, AIHUAHUAU :D

    • é só ser preso em um 2077 distopico cyberpunk por terrorismo, ser condenado a morte por raio desintegrador jogar uma bugiganga ex-machina nele e volta no tempo ou achar uma T.A.R.D.I.S

  • O_Comentarista

    “Esse o Canadá se fodeu, imagina como não a coisa não deve ter pego lá no Brazil.”

    Dadaísmo chegando até no Superamiches.

    Interessante o plot da série. Talvez um dia eu veja.

    • É o vírus Garibola. Ele deixa a gente meio especial, meio pra baixo. meio caído.
      Eu até cogitei arrumar… Mas vou deixar assim.

  • cgui

    caraio, a mina do meio da última imagem (a que tá com a roupa da Maria Hill misturada com a roupa do segundo filme do Tomb Raider) tá com uma coceira fudida na xota, cara

    • Eu acho que o pior é o Alec ao lado dela, fazendo mistura de Daniel com Mc Hammer.

  • Anubis_Necromancer

    Malditas viagens no tempo….
    Alguém sempre pisa na porra da borboleta ou mata o vaga-lume…

  • Max06

    Série é legalzinha, assisti a primeira temporada e quando tiver sem nada pra fazer termino. O que eu acho ruim é que a mina tem uma super tecnologia para resolver crimes, mas sempre precisa recorrer aos métodos tradicionais, meio que dizendo “olha essa tecnologia não é nada, o que vale são as pessoas, blabla…”, por esse mesmo motivo eu parei de ver Intelligence.

  • Uplan Uplanoso Uplanado®

    Enquanto isso, B’ur zil tem a novela dos mutantes.

  • Max06

    Já que o momento é oportuno, deixarei aqui algumas recomendações de séries novas.
    The Strain – Disparada melhor série da temporada, tem um desenvolvimento bem cadenciado, tentando explicar como o surto ocorreu e os mínimos detalhes fisiológicos dos vampiros/Zumbis.
    The Knick – Clive owen matando a pau, fazendo um médico racista bem filha da puta, que na verdade reflete o pensamento da época. Basicamente um “Quase Deuses”, só que o médico branco não é bonzinho.
    Tyrant– Teve um piloto muito foda, mas com o passar dos episódios está ficando piegas demais, espero que o season finale seja decente. Se os caras tivessem culhões usariam esses recentes ataques a Gaza como plano de fundo.
    Extant – Por incrivel que pareça o piloto foi bacana, ao menos me deixou com vontade de acompanhar o restante da temporada. Até o momento está sendo um sci fi redondinho, um misto de Inteligência artificial + loucura espacial+ conspirações.
    The Lottery – É basicamente o roteiro de Children of Men, só que sem o elenco foda e a direção fantástica do Cuarón. Estou achando a série assistível, vale ao menos para ver nos momentos de ócio.
    Manhattan – Piloto interessante e trata de um tema polêmico (ao menos para quem não é americano), quero ver como os caras vão desenrolar isso durante ao menos umas 4 temporadas (média básica de uma série assistível ).
    Outra recomendações fora do eixo UK/US:
    Hatufim (Israel) e Gomorra (Itália). Não são novas, mas como só está saindo legenda agora resolvi citar.

    P.S: Caralho….Olha essa bíblia^^. KKKKKKkk

    • O Sir Vinnie deve ter assistido tudo isso já, HAUAHUA!!!

    • Das citadas eu assisti a The Strain e já estavam na minha listinha a da Halle Berry e a Manhattan. Essa The Lottery até chamou minha atenção por que eu curti o filme, mas ai eu assisto o filme HUE. De resto nada chamou minha atenção anteriormente inclusive a versão original Israelense de Homeland, mas vlw pelas dicas :)

  • Renver

    Tem no Netflix?!

  • AzBats

    A protagonista é a ruiva que interpretou a Scarlett do “G.I.Joe: A Origem do Cobra”.

    • Eu coloquei isso nas Tags, amiche.

      • AzBats

        Não tinha percebido esse detalhe nas tags e nem “a mina verde que o Kirk pega na academia”. Desculpe.

        • Que isso. Em um site que tem o Gariba, errar é quase uma necessidade. Dica, sempre preste atenção nas tags. A maioria delas, vale mais que o post em si.